Arquivo:Poema Amor ingenuo.pdf

De Sexta Poética
Revisão de 13h43min de 4 de fevereiro de 2013 por Neia Andrade (discussão | contribs)
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para navegação Ir para pesquisar

Arquivo original(1 240 × 1 754 pixels, tamanho: 55 kB, tipo MIME: application/pdf)

--Neia Andrade (discussão) 14h43min de 4 de fevereiro de 2013 (BRST) Amor ingênuo

NEIA ANDRADE


Quando se entregar for inevitável, paira sobre a cabeça dos amantes: será que valerá a pena tamanha entrega? Ele e ela serão cuidadosos com os meus sentimentos? Ambos, desconfiados, se olham, e o silêncio reina aflito, louco para ser quebrado por um gemido, um grito de sentimento oriundo do peito, que bate desesperado sem alento como um corpo despido que deseja ser aquecido e anseia encontrar abrigo em braços macios. Mas, oh!, sentimentos de vidro! Por quê? Temem ser quebrados? Por quê? Não fogem nem agem? Com os lábios trêmulos de medo, e a boca ardendo em desejo, é visível a insegurança nas mãos frias e suadas da ingênua amante, que espera por seu amado! Já experimentando de dores e com o coração cristalizado pelos dissabores do amor, o que espera por ti, ingênua amante, já que teu amado se foi para longe? Será que conseguirá alcançá-lo com a tua fragilidade? Sonhas que ele venha como príncipe a galope, rápido, incendiado de amor? Depois do devaneio, retomando a consciência, recorda que ele sempre foi e sempre será um amante. Duro para ti aceitar que nunca houve entrega. E sim espera...

Histórico do arquivo

Clique em uma data/horário para ver como o arquivo estava em um dado momento.

Data e horárioMiniaturaDimensõesUsuárioComentário
atual13h41min de 4 de fevereiro de 2013Miniatura da versão das 13h41min de 4 de fevereiro de 20131 240 × 1 754 (55 kB)Neia Andrade (discussão | contribs)
  • Você não pode substituir este arquivo.

O seguinte arquivo é duplicado deste arquivo (mais detalhes):

Não há páginas que usem este arquivo.