Mudanças entre as edições de "Confissão"

De Sexta Poética
Ir para navegação Ir para pesquisar
(Categoria Poema sem fim)
 
(Categoria Sexta poética)
Linha 44: Linha 44:
  
  
{{Comentário}}[[Categoria:Poema sem fim|Poema sem fim 9]]
+
{{Comentário}}[[Categoria:Poema sem fim| ]][[Categoria:Sexta poética|Sexta, 05/05/2006]]

Edição das 04h23min de 8 de maio de 2009

<poem>


Para a dor de uma paixão o melhor remédio é chorar, contigo aprendi. Vai apertar o coração, mas é melhor que ser falso e sorrir.

Por isso, eu choro em casa (onde se materializa o nosso vínculo), choro no trabalho e choro também no trânsito. Dirigindo choro aos cântaros, vejo as pedras no caminho que eu não pude tirar... como o Drummond, eu também nunca mais vou esquecer.

Assim, choro no Banco em frente ao computador e mesmo durante uma ou outra reunião. Choro com raiva e choro de amor; tem aquele choro engolido e o choro aluvião. Quase sempre choro pra valer. É um choro molhado, um choro escorrido, choro mesmo um choro doído: eu vou chorar até morrer a perda dessa mulher.

Quando vem a vontade não faço nada pra conter, para a minha alma apertada é a melhor forma de afrouxar. E não tenho nenhum medo de escrever (da sintaxe nem da regra gramatical) não há que dure para sempre algum mal, aprendi que se caí, vou ter força pra levantar.

Choro sem por isso sentir vergonha, choto tanto, choro de manhã ao ver a claridade no quintal, choro à tarde em meio a teclas e papel e choro na boca da noite para que passe logo a noite Choro e deixo molhada a fronha _ é sim uma espécie de açoite.

Há muito tempo eu sabia que era meu destino ser poeta, mas não imaginava carregar essa chaga aberta.