Mudanças entre as edições de "Sexta, 23/06/2006"

De Sexta Poética
Ir para navegação Ir para pesquisar
(form)
 
(Uma revisão intermediária por um outro usuário não está sendo mostrada)
Linha 1: Linha 1:
{{Comentário}}<poem>
+
<poem>
 
 
 
Maridos são o que são. Esposas são o que são.
 
Maridos são o que são. Esposas são o que são.
 
Protegidos em redoma, os maridos são felizes a seu modo
 
Protegidos em redoma, os maridos são felizes a seu modo
Linha 26: Linha 25:
 
(e cada um só consegue sorver
 
(e cada um só consegue sorver
 
o que não excede aos litros de seu pulmão).
 
o que não excede aos litros de seu pulmão).
 +
</poem>
 +
  
{{Comentário}}[[Categoria:Sexta poética]]
+
{{Comentário}}[[Categoria:Livro Poemas sem fim]]

Edição atual tal como às 14h30min de 11 de dezembro de 2016

Maridos são o que são. Esposas são o que são.
Protegidos em redoma, os maridos são felizes a seu modo
com as esposas mais felizes a seu lado.
E os dois seguem unidos o mesmo enredo:
às vezes brigam, às vezes amam,
às vezes riem, às vezes choram...
mas sempre buscam juntos o caminho preferido.
Maridos e esposas são o que são,
oferecem um ao outro mútua proteção.
Quem agora vai me dizer que isso é errado,
é um engano, é um atraso
ou que isso não é bom?
Cada um sabe de si, cada um sabe de si.
Nos dias de hoje
não dá pra falar em cara metade, eterna união:
cada um quer ser o todo inteiro, nunca apenas uma fração,
estamos todos com pressa,
buscando uma idealizada auto-realização.
Mas sei que nada melhor do que viver juntinho
abraçar... beijar... de novo abraçar e de novo beijar...
sei que a vida é vivida aos poucos, devagar,
ela se passa no ir e vir
da nossa respiração
(e cada um só consegue sorver
o que não excede aos litros de seu pulmão).