Mudanças entre as edições de "Sexta poética"

De Sexta Poética
Ir para navegação Ir para pesquisar
(atualizando o poema da semana)
(atualizando o poema da semana)
Linha 34: Linha 34:
  
  
[[Hoje eu vi...]]
+
[[Sexta, 06/06/2008]]
  
 
<poem>
 
<poem>
  
Hoje eu vi...
 
  
Que nem sempre criticar
+
Sei onde quero ir, é para onde eu vou:
É a melhor escolha para mudança
+
qualquer vento me leva lá.
Que nem toda cobrança
+
É o resultado de se amar
+
Para que serve o amor
 +
senão para amar e mais amar
 +
novamente amar, sempramar?
 +
 +
Jamais saberei o que realmente você quer...
 +
Mas basta-me amar, novamente amar,
 +
Sempre amar
 +
sua natureza de mulher.
  
Hoje eu vi...
+
</poem>[[:Categoria:Sextas refugadas|Nevinho]]
 
 
Que promessas
 
podem ser quebradas
 
E o fato de não poder ir
 
não significa se inibir
 
de sorrir
 
 
 
Hoje eu vi...
 
 
 
Que o silêncio as vezes é o melhor
 
que palavras ditas de dor
 
Que deixar
 
Se magoar
 
É o caminho da fraqueza
 
 
 
Hoje eu vi...
 
 
 
Que os sacrifícios são exclusivos do amor
 
Que Suportar,
 
Respeitar
 
Escutar
 
Não são tão simples favor
 
 
 
Hoje eu vi...
 
 
 
Que ser sábio
 
é saber esperar
 
Que acreditar
 
É viver
 
 
 
                                 
 
''São Paulo, 17 de novembro de 2011''
 
 
 
 
 
</poem>
 
[[:Categoria:Renata Freitas|Renata Freitas]]
 
  
 
</div>
 
</div>

Edição das 07h54min de 24 de fevereiro de 2017

Bem vindo!   128px-Globe of letters.svg.png    Hoje é quinta-feira, 5 de agosto em 2021.    600px-Wikibrasil.png

POEMA DA SEMANA


Sexta, 06/06/2008



Sei onde quero ir, é para onde eu vou:
qualquer vento me leva lá.
 
Para que serve o amor
senão para amar e mais amar
novamente amar, sempramar?
 
Jamais saberei o que realmente você quer...
Mas basta-me amar, novamente amar,
Sempre amar
sua natureza de mulher.

Nevinho

Já publicamos 603 criações literárias.


Este site é uma wiki! Isso significa que, após cadastrar-se, você poderá editar e criar páginas livremente,.

O Movimento Colaborativo Sexta poética tem o intuito de ser um vetor capaz de fazer fluir o impulso poético dos indivíduos para a comunidade e da comunidade para os indivíduos.
É uma ode à subjetividade, um sítio onde pode-se ler o que outras pessoas escrevem e onde qualquer pessoa pode escrever à vontade.