Mudanças entre as edições de "Sexta poética"

De Sexta Poética
Ir para navegação Ir para pesquisar
Linha 34: Linha 34:
  
  
[[Covid 19]]
+
[[Pandemia]]
  
 
<poem>
 
<poem>
::''“Non è bene che l’uomo sia solo''
+
Protegido de pisadura de gado
 +
e escondido
 +
da passagem de gente,
 +
no meio da braquiária
 +
repousa o Carapiá.
  
 +
Testemunha cretácea do Planeta.
 +
plantinha entre plantinhas,
 +
folha carnuda e fruto um cogumelo amarelo
 +
invertido e aberto
 +
— feito um mocó da Serra da Capivara,
 +
ele assiste estático o passar das eras.
  
Sim, lógico, poderia ser
+
Sem ninguém para perguntar sua identidade
Outra pessoa. Afinal
+
se ele gosta de chuva ou clima seco
O que mais importa nesse momento
+
se gosta de frio ou de calor
É uma companhia - qualquer uma
+
sol ou sombra, é comestível essa planta?
Pessoa, outra
+
Será Medicinal?
Poderia ser.
+
Vários séculos passaram sem jamais alguém
 +
dar-se ao trabalho.
  
Pessoa qualquer
+
Até quando um dia passou por ali uma pessoa,
Que ame a natureza
+
descobriu seu nome, Caapiá, Capiá, Caiapiá,
Goste das plantas
+
Contraerva, Carapiá,
Defenda os animais
+
fez outras perguntas, achou outras respostas...
  
Pessoa qualquer que cuide da Lilica
+
Vinda de outras altitudes, essa pessoa poderia ser facho de luz para o caminho,
Zele pelo Dique
+
mas prefere ser como um relâmpago no escuro,
Tem carrapato? Esse caroço na barriga o que é?
 
  
Pessoa qualquer que admira Niède Guidon
+
Eis que novamente esquecida no tempo
Respeita Ana Maria Primavesi
+
e abandonada no capim crescido
Curte pintura rupestre e acredita na recuperação dos solos
+
a ''Dorstenia heringer'' sobrevive discreta
Se interessa pelo diferente, gosta das pancs, das frutas
+
alheia a epidemia e carências;
Exóticas (descobre nos cafundós de São Paulo
+
repousa escondida e faz do procurá-la
Alguém um rapaz peculiar que protege espécies,
+
companhia e distração para o poeta.
Faz muda e vende),
 
De cultivá-las no quintal
 
E anotar tudo no caderninho amarelo
 
A Acoaratinga, o Achachairu, a Abiurana, o Araçá piranga
 
Cereja-peba, a Perinha do cerrado
 
Anona montícula, Eugênia suberosa
 
Que dia foi plantada aquela caliandra
 
Germinaram as sementes do Araticum que dia
 
Hoje apareceu um casal de pássaros diferentes
 
Nunca tínhamos visto eram preto e amarelo
 
A ponta da asa era branca — descobre depois
 
Eram corrupiões
 
  
Uma pessoa assim que contemple o vale do Rio São Bartolomeu
 
E seus olhos  azuis brilhem cintilando perguntas:
 
O capão da onça onde fica no mapa, aqui?
 
Olhe para o cerrado esse bioma
 
E veja a vida cuja diversidade assombra
 
 
Pessoa curiosa pelo que tem dentro
 
E cresce escondido da atenção comum
 
Cura ferida?
 
Alimenta bicho?
 
Dá certo fazer um chá?
 
Atenta ao que existe à margem
 
E compõe nosso imenso mosaico — enfim,
 
No Planalto Central do Brasil
 
Alguém que descobriu nova razão de ser
 
 
É verdade mesmo
 
Hoje, aqui, agora
 
Precisava muito dessa pessoa bióloga e ambientalista
 
Que tem um nome sim, outras águas que formam outro vale
 
Bastante importante pra mim
 
Mas aos outros basta sabê-la professora
 
(detalhes, minúcias, segredos
 
Guardo todos pra mim)
 
Roncenho termista, mulher dolomítica
 
 
Infelizmente, não existe meia dúzia iguais assim
 
Quem me dera existissem duas
 
 
</poem>
 
</poem>
  

Edição das 07h26min de 10 de abril de 2020

Bem vindo!   128px-Globe of letters.svg.png    Hoje é quarta-feira, 4 de agosto em 2021.    600px-Wikibrasil.png

POEMA DA SEMANA


Pandemia

Protegido de pisadura de gado
e escondido
da passagem de gente,
no meio da braquiária
repousa o Carapiá.

Testemunha cretácea do Planeta.
plantinha entre plantinhas,
folha carnuda e fruto um cogumelo amarelo
invertido e aberto
— feito um mocó da Serra da Capivara,
ele assiste estático o passar das eras.

Sem ninguém para perguntar sua identidade
se ele gosta de chuva ou clima seco
se gosta de frio ou de calor
sol ou sombra, é comestível essa planta?
Será Medicinal?
Vários séculos passaram sem jamais alguém
dar-se ao trabalho.

Até quando um dia passou por ali uma pessoa,
descobriu seu nome, Caapiá, Capiá, Caiapiá,
Contraerva, Carapiá,
fez outras perguntas, achou outras respostas...

Vinda de outras altitudes, essa pessoa poderia ser facho de luz para o caminho,
mas prefere ser como um relâmpago no escuro,

Eis que novamente esquecida no tempo
e abandonada no capim crescido
a Dorstenia heringer sobrevive discreta
alheia a epidemia e carências;
repousa escondida e faz do procurá-la
companhia e distração para o poeta.

Nevinho

Já publicamos 603 criações literárias.


Este site é uma wiki! Isso é, após criar uma ou entrar com sua conta, você poderá editar e criar páginas livremente.

O Movimento Colaborativo Sexta poética tem o intuito de ser um vetor capaz de fazer fluir o impulso poético dos indivíduos para a comunidade e da comunidade para os indivíduos.
É uma ode à subjetividade, um sítio onde pode-se ler o que outras pessoas escrevem e onde qualquer pessoa pode escrever à vontade.