Mudanças entre as edições de "Usuário:Callia"

De Sexta Poética
Ir para navegação Ir para pesquisar
(Criou página com ' Avenida Paulista Cai a noite e a garoa na Avenida Paulista Deixo-a cair toda sobre meus poucos cabelos... Alguns já brancos , você sabia?Alguns já brancos , eu não sa...')
 
 
(4 revisões intermediárias por 2 usuários não estão sendo mostradas)
Linha 1: Linha 1:
 +
<poem>  Avenida Paulista
  
 
+
Cai a noite e a garoa na Avenida Paulista,
    Avenida Paulista
 
 
 
Cai a noite e a garoa na Avenida Paulista
 
 
Deixo-a cair toda sobre meus poucos cabelos...
 
Deixo-a cair toda sobre meus poucos cabelos...
 
Alguns já brancos , você sabia?Alguns já brancos ,  
 
Alguns já brancos , você sabia?Alguns já brancos ,  
Linha 10: Linha 8:
 
Ando pela minha rua , olho os rostos maquiados das paulistanas ,  
 
Ando pela minha rua , olho os rostos maquiados das paulistanas ,  
 
Pra onde vão?De que Banco Vêm?
 
Pra onde vão?De que Banco Vêm?
O que me dizem os sobretudos longos
+
O que me dizem os sobretudos longos,
 
As capas pretas , seus guarda chuvas?
 
As capas pretas , seus guarda chuvas?
  
Um sindicalista grita coisas contra o imperialismo
+
Um sindicalista grita coisas contra o imperialismo,
Reinvocando o imperialismo Comunista
+
Reinvocando o imperialismo Comunista,
 
Qual escolher?Qual escolher?
 
Qual escolher?Qual escolher?
 
Se tudo tem de ser imperialismo,
 
Se tudo tem de ser imperialismo,
 
Melhor ser um bêbado na Paulista!
 
Melhor ser um bêbado na Paulista!
  
Lá longe , na entrada do metrô
+
Lá longe , na entrada do metrô,
Toca sereno um violinista
+
Toca sereno um violinista,
Toca tão triste as musicas do passado
+
Toca tão triste as musicas do passado,
Que me faz encontrar-me apaixonado
+
Que me faz encontrar-me apaixonado,
Pela bela moça Estátua
+
Pela bela moça Estátua,
 
Uma estátua viva e prateada Na Paulista
 
Uma estátua viva e prateada Na Paulista
  
Mais saiba minha Avenida , vou lhe deixar
+
Mais saiba minha Avenida , vou lhe deixar,
Porque é da índole de todo Paulista , viajar
+
Porque é da índole de todo Paulista , viajar,
 
Sou um bandeirante pós moderno digital
 
Sou um bandeirante pós moderno digital
 
Caçando historias , pra te contar na minha volta para a Paulista
 
Caçando historias , pra te contar na minha volta para a Paulista
  
 
Se são urbanos , todos os poetas , paulistas , paulistanos
 
Se são urbanos , todos os poetas , paulistas , paulistanos
Sagrados adoradores do sagrado , do profano
+
Sagrados adoradores do sagrado , do profano,
Nas missas da Igreja da Consolação
+
Nas missas da Igreja da Consolação,
 
Nas festas da Augusta à São João
 
Nas festas da Augusta à São João
  
 
E desse cruzamento da Avenida e a Rua augusta ,  
 
E desse cruzamento da Avenida e a Rua augusta ,  
 
Dos hiipies , anarquistas , executivos , jornalistas
 
Dos hiipies , anarquistas , executivos , jornalistas
Anjos e demônios , das pizzarias  
+
Anjos e demônios , das pizzarias,
E dos puteiros
+
Das baladas , e dos sebos,
Das baladas , e dos sebos
 
 
Nas noites alucinadas  
 
Nas noites alucinadas  
  
 +
Os Postes ébrios da calçada,
 
Hão um dia de perguntar...
 
Hão um dia de perguntar...
 
Hei Paulista!Pra onde vais?
 
Hei Paulista!Pra onde vais?

Edição atual tal como às 06h55min de 30 de novembro de 2009

<poem> Avenida Paulista

Cai a noite e a garoa na Avenida Paulista, Deixo-a cair toda sobre meus poucos cabelos... Alguns já brancos , você sabia?Alguns já brancos , eu não sabia..

Ando pela minha rua , olho os rostos maquiados das paulistanas , Pra onde vão?De que Banco Vêm? O que me dizem os sobretudos longos, As capas pretas , seus guarda chuvas?

Um sindicalista grita coisas contra o imperialismo, Reinvocando o imperialismo Comunista, Qual escolher?Qual escolher? Se tudo tem de ser imperialismo, Melhor ser um bêbado na Paulista!

Lá longe , na entrada do metrô, Toca sereno um violinista, Toca tão triste as musicas do passado, Que me faz encontrar-me apaixonado, Pela bela moça Estátua, Uma estátua viva e prateada Na Paulista

Mais saiba minha Avenida , vou lhe deixar, Porque é da índole de todo Paulista , viajar, Sou um bandeirante pós moderno digital Caçando historias , pra te contar na minha volta para a Paulista

Se são urbanos , todos os poetas , paulistas , paulistanos Sagrados adoradores do sagrado , do profano, Nas missas da Igreja da Consolação, Nas festas da Augusta à São João

E desse cruzamento da Avenida e a Rua augusta , Dos hiipies , anarquistas , executivos , jornalistas Anjos e demônios , das pizzarias, Das baladas , e dos sebos, Nas noites alucinadas

Os Postes ébrios da calçada, Hão um dia de perguntar... Hei Paulista!Pra onde vais? E eu responderei... Não sei , vou onde a história me levar

                                          Callia